(19) 3807-6766 | (19) 99678-0175 | (11) 97309-8320
Palestrante Dill Casella

  • Super Minas
  • Accenture
  • Shell
Home | Artigos do Dill Casella

LIDERANÇA INSPIRADORA



Show Da Avenida

Em minha vivência como líder e liderado em grandes corporações, já vivi os momentos dos mais gratificantes e sublimes aos mais difíceis de minha carreira.

Montei equipes, desmontei, remontei, fui “desmontado”, elogiei, fui elogiado, celebrado e até fui assediado moralmente...

Como ser um líder que inspira a equipe? Daqueles que fazem a gente ficar emocionado com um discurso! Aqueles que sentimos vontade de apresentar resultados pelo simples poder da validação de nosso esforço!

Se você é líder ou está buscando este caminho, vá além de motivar a equipe para buscar os resultados. Vá além do aconselhamento, do planejamento, da premiação da equipe e até do “castigo” para um mau resultado... Talvez um bom líder seja a soma de tudo isso, sabendo usar os ingredientes citados acima no momento certo.

Porém, o que diferencia um mero bom líder do que enxerga longe, faz a diferença e inspira é:

- a capacidade de formar novos líderes. Não dá para pensar em Liderança Inspiradora sem a sucessão de atitudes vencedoras. O Inspirador mostra o caminho e facilita o aparecimento dos novos valores;

- a aceitação, por parte do líder de que o liderado possa ser tecnicamente melhor que ele. O líder será cobrado muito mais por habilidades conceituais e humanas do que por habilidades técnicas;

- a arte de dar exemplo. O bom exemplo, é claro... Falo isso para quem tem a ética em seu discurso; o que se fala tem que ter coerência com a realidade;

- a capacidade de conhecer bem cada liderado e saber a que tipo de estímulo reagem melhor. Leia aqui SINTONIA, se preferir PNL, leia “RAPPORT”;

- a arte de resolver eventuais conflitos internos da equipe através da transparência, do estabelecimento de metas comuns, do incentivo ao rodízio e da redução de distorções de comunicação. Dificílimo e extremamente possível ao mesmo tempo!;

- saber dramatizar suas idéias, abusar das metáforas e envolver o time com histórias. Histórias são sedutoras, aumentam a flexibilidade, ultrapassam o limite da resistência de quem as ouve, induzem à maior sensibilidade e facilitam a memorização através das imagens por ela sugerida;

- a humildade e espontaneidade em cumprimentar um liderado pelo trabalho bem feito. Veja aqui a imensa oportunidade de celebrar pequenos e grandes resultados e de validar a existência do colaborador! Difícil? Nada disso! Um elogio certo, os parabéns na hora certa, um sorriso, uma salva de palmas, beijo e até dedão pra cima (“valeu, cara, valeu!”). Incentivar está ligado a buscar união! Ofender gera medos e desafetos. Maradona, técnico da Seleção Argentina na última Copa, mesmo após a humilhante derrota para a Alemanha, permaneceu em campo para recepcionar seus jogadores um a um. Celebrou a derrota? Nada disso! Validou o esforço de seus atletas, mesmo na derrota! Isso fortalece o time para a próxima batalha!

A história está cheia de líderes que inspiraram e mudaram até o curso dos fatos.
Quero falar de dois deles que tinham em comum: ambição, oratória e determinação.

O primeiro era glutão, beberrão, não tirava o charuto da boca, pintava quadros, escrevia livros de história, recitava poemas em horas impróprias, inventava máquinas e recebia visitas enrolado num roupão de banho cor de laranja. Porém, quando discursava, o fazia de forma a induzir seu povo a lutar por um futuro vitorioso, contando-lhes histórias de como podiam fazer.

O segundo não bebia, não fumava e era vegetariano. Tratava com delicadeza secretárias e pessoal do baixo escalão. Abominava o esporte de caça e perdia horas em brincadeiras com crianças pequenas, filhas de assessores. Era centralizador, inflexível e extremamente detalhista no controle das atribuições de seus liderados. Estas três últimas características são fatais para o sucesso de um bom líder. Por outro lado, também dominava amplamente a arte da comunicação.

Churchill, o primeiro, foi um dos grandes responsáveis pela vitória dos aliados na Segunda Guerra Mundial.

O segundo, pagou um preço caro pelo conjunto de características de sua personalidade. Seu nome? Adolf Hitler...




Dill Casella


Fonte: Revista Exame ( ed 842 05/2005) e Dill Casella

Dill Casella é autor do livro “Atitude e Altitude” pela Editora Vozes, de dezenas de artigos publicados em mídia impressa e digital e um dos palestrantes mais criativos e contratados atualmente no Brasil!


Voltar para a página anterior